[ESO] Senta que lá vem História! Alianças, Lore e Mais!

E aí galerinha, tudo bem com vocês? Espero que estejam ótimxs! No “Senta que lá vem a história!” de hoje, vamos falar sobre as Alianças, as facções de Elder Scrolls Online. Veremos aqui um pouco sobre a formação delas, seus objetivos, um pouco de suas histórias e também alguns detalhes sobre os territórios que elas dominam, assim como alguns outros territórios também.

Se você curte Lore, se você curte história, larga o dedo no Like e se inscreve no meu canal apertando no botãozinho vermelho logo abaixo pra me ajudar a continuar produzindo conteúdo.

No vídeo abaixo eu conto toda a história. Mas se você preferir, leia tudo que foi dito no vídeo e transcrito neste post, logo depois do vídeo.

Começamos falando sobre as três principais Alianças (ou facções) de Elder Scrolls Online. Em suma, as Alianças são conglomerados de estados, nações, pequenas cidades e outros territórios que se juntam por um objetivo em comum.

No ESO, cada Aliança é identificada por uma cor. Quais sejam:

  • Vermelho para o Pacto de Ebonheart
  • Azul para a Aliança Daggerfall
  • E Amarelo para o Domínio Aldmeri.

Saber disso já vai facilitar o entendimento de quem joga.

SOBRE AS ALIANÇAS

ALIANÇA DAGGERFALL

A Aliança Daggerfal, ou Daggerfall Covenant como é originalmente chamada, foi formada como uma aliança militar entre os reinos de High Rock, Hammerfell (apenas a parte Norte, pois as demais são constituídas de reinos independentes) e Orsinium durante a Segunda Era (ou E2, como mostrado nos relógios ingame).

Ela é provavelmente a menor das três alianças participantes da Guerra das Três Bandeiras. Apesar de ter menos território do que o Pacto de Ebonheart, a Aliança Daggerfall é muito mais centralizada no poder e tem controle sobre alguns dos territórios mais ricos e populacionais de toda Tamriel.

Eles competiram com outras duas facções pelo controle do Trono de Ruby (Ruby Sanctum) que fica em Cyrodiil e se consideram sucessores da dinastia Reman e queriam restaurar o Segundo Império. Eram liderados, nesta época, por um conselho real, onde os Bretões (ou Bretons) eram representados pelo Alto Rei Emeric, os Redguards eram representados pelo Rei Fahara’jad e os Orcs eram representados pelo Kuro gro-Bagrakh.

As três cidades que compões a Aliança Daggerfall moderana são o reinado de Fahara’jad e seus Redguards que constituem o norte de Hammerfell, o reino de Orsinium sob tutela do rei Kurog e seus orcs nas montanhas a nordeste e também a cidade de Wayrest, sob tutela do Rei Emeric de High Rock e seus Bretões (Bretons). Eles representam uma aliança de povos nobres e honrados, cavalheirescos, apresentando os melhores aspectos do Primeiro e Segundo impérios. Possuem um comério sólido, preceitos de respeito mútuo e reverência pelos Divinos.

O Reino de Orsinium é colorido com Previncas por conta da natureza da aliança que eles têm. Atualmente nenhum soldado da Aliança Daggerfall tem permissão para pisar no Reino de Orsinium, e por boas razões. Os povos Bretões e Redguards têm uma história conturbada que inclui pilhagem e até mesmo a destruição de qualquer civilização que os Orsimer são capazes de construir. Após a morte prematura do rei Kurog, seu sucessor, o Rei Basrag gro-Fharun, afirma que ele precisará renegociar os termos entre a Aliança e o Reino de Orsinium.

A Nordeste do território dominado pela Aliança Daggerfall, temos a problemática província de Craglorn. A Aliança não tem uma influência muito grande nessa região, e por um bom motivo. A atual rebelião com a Scaled Court empurrou as forças de Daggerfall para os portões de Bangkorai e Elinhil no extremo oeste e leste da província. Uma vez que o Tribunal não estabeleceu uma forma viável de governo na área, e o fato de que nenhuma outra aliança reivindica esse território, ele é sem dúvida parte da Aliança Daggerfall.

O último dos territórios da Aliança Daggerfall é a região das Terras Altas de Colovian e Grande Floresta de Cyrodiil. Daggerfall controla cidades importantes como Sancre Tor, Weynon, Priory e Chorrol.

DOMÍNIO ALDMERI

O Domínio Aldmeri se refere a qualquer um dos três impérios estabelecidos pelos Altmer no continente de Tamriel. Aldmeri significa “Lar dos Elfos” e seu principal objetivo é reafirmar o domínio élfico por sobre Tamriel. Quando os Altos-Elfos de Alinor, província de Summerset, souberam que a Cidade Imperial havia caído sob o controle dos partidários humanos de Molag Bal, o Domínio Aldmeri foi formado.

Os Altos-Elfos procuraram as raças vizinhas de Elfos da Madeira (Wood Elves) e Khajit com o argumento de que suas forças combinadas poderiam impedir que as raças mais jovens de Tamriel trouxessem um desastre ao mundo, como haviam feito tantas vezes no passado.

Os Altos-Elfos foram os colonizadores originais de Tamriel e criaram a língua comum usada em todo o continente hoje.

Eles também são naturalmente proficientes com magia, sendo uma ótima escolha para players cujo foco seja personagens que utilizam Magicka. Os Elfos da Madeira habitavam as florestas densas e quase impenetráveis de Valenwood. Eles são caçadores, guias e mestres supremos em furtos e roubos e também são os arqueiros mais talentosos de toda Tamriel. Os Khajit, por sua fez, são uma orgulhosa raça felina, temíveis guerreiros, proficientes com armas brancas e estão orgulhosamente à frente de todas as batalhas.

Se duas palavras podem definir o Domínio Aldmeri, elas são “Poder” e “Determinação”.

O Domínio Aldmero tem domínio quase absoluto sobre os mares do Sul de Tamriel, governando de Alinor até a Baía de Topal. Das três alianças principais, o Domínio Aldmeri tem o governo mais homogêneo. Apesar de suas contínuas rebeliões com a Velied Hritance e várias forças malévolas de Khajits no oeste de Elsweyr, o governo do Domínio Aldmeri é inquestionável.

Eles controlam uma das áreas mais frutíferas de Cyrodiil, que inclui a maior parte de West Weald e se estende até a Bacia Nibenay. Por ter o controle das cidades de Vlastarus e Skingrad, o Grande Senhor da Guerra Sorcalin controla o centro de alimentação de Cyrodiil e pode usar isso a seu favor, matando a fome de outras forças na área.

PACTO EBONHEART

O Pacto Ebonheart formou uma aliança entre povos que necessitavam muito dela, embora tivessem um ódio mortal uns pelos outros. Isso aconteceu por terem reconhecido uma real ameaça que ocorreu pela unificação de seus inimigos. E, como todos bem sabem, o inimigo do meu inimigo, é meu amigo. O principal motivo para a formação do Pacto foi proteger suas fronteiras e a liberadade de cada povo. Eles buscam, em suma, derrotar o império corrupto e preservar a independencia de suas terras natais.

Joruun, do Skyrim Oriental, está presidindo como o Alto Rei do Great Moot, mas ele não governa absolutamente. Suas decisões devem ser ratificadas pelas outras três raças numa forma única que compõe este governo chamado de The Great Moot, que em português quer dizer “O Grande Debate” ou algo do gênero.

A capital de The Great Moot é Mournhold. As Grandes Casas detêm muito poder em Morrowind. Todos, exceto a Casa Telvanni, condordaram em se juntar ao Pacto Ebonheart, e agora estão um pouco afastados das outras casas por conta disso.

Black Marsh não possui uma monarquia e as tribos de Saxhleel se juntaram ao pacto para proteger seus interesses pessoais.

Sob os termos da Aliança, os Dunmer (Dark Elves ou Elfos Negros) foram autorizados a manter todos os escravos não-argônios (Argoniano é uma raça de homens-lagarto que foram escravizados durante MUITO tempo), com os Khajit como sendo a raça mais comum de escravos atualmente. Todos os escravos argonianos foram libertados.

O rei-skald Joruun recitou as seguintes palavras:

“A aliança entre nossas raças nasceu em tempos sombrios, quando Nord, Dunmer e Argonianos livres lutaram como um só povo para rechaçar a invasão  dos mestres de escravos Akaviri.

Nossa maior força é a adversidade que temos superado.

Nossa determinação é glacial, nosso poder é forjado no fogo, e nossa coragem é cultivada pelas feras da selva.

Nós somos Ebonheart!

Nós somos como um!

E, com isso, nossa vitória está assegurada!”

Eu vou deixar essa carta do rei Joruun transcrita na descrição desse vídeo pra quem quiser ler. Você pode encontrar vários textos como esse dentro do jogo, lendo aqueles milhares de livros que estão disponíveis em estantes e alguns até mesmo perdidos em escombros antigos pelo mundo. É bem legal a leitura atenta desses livros, ajuda muito na imersão e a entender a história do jogo com mais afinco. Isso, claro, pra quem curte Lore.

O Pacto de Ebonheart é a maior aliança em Tamriel e atualmente possui várias áreas de administração sob seu controle. A maior área abrange as regiões de Eastmarch, The Rift, Stonefalls, Deshaan e Stormhold.

Durante a 2º Era no ano de 582, aproximadamente (que é o período em que ocorrem os eventos de Elder Scrolls Online), Vvardenfell era administrada pelo Templo do Tribunal e não permitia muitas viagens para a ilha até que o Terceiro Império a abriu no ano de 414 da 3º Era. Antes disso, apenas pessoas selecionadas do Templo tiveram permissão para entrar na Ilha.

Então, temos Argonia, coloquiamente conhecida como Black Marsh. É sabido que os únicos habitantes nas profundezas do pântano são os Argonianos e outros seres que Hist considera como não-invasores. Devido à natureza hostil dos pântanos, é difícil imaginar que o Pacto de Ebonheart seja realmente capaz de governas esse território. Por esta razão, foi feita uma distinção entre os territórios sob domínio do Pacto. De Black Marsh, somente Shadowfen, Murkmire e Thornmarsh juntaram-se ao Pacto. As demais áreas são reinos independentes.

O último dos territórios do Pacto de Ebonheart que temos aqui é o Valle de Nibbenaen, sob sua ocupação em Cyrodiil. Cidades importantes como Cheydinhal, Bruma e Cropsford estão atualmente sob controle do Paco, sob o governo do Grande Senhor da Guerra Zimmeron.

INFORMAÇÕES SOBRE ALGUNS TERRITÓRIOS ADICIONAIS E OUTRAS CURIOSIDADES INTERESSANTES

REACHMAN

Não se sabe muito sobre The Reach neste espaço de tempo que estamos analisando. Temos inúmeros relatos de que é governado por alguémn conhecido como “O Déspota de Markath”. É possível que ele seja parente do recém deposto imperador Leovic, que também era um Reachman. Nós sabemos que esses Reachman têm o péssimo hábito de se espalhar pelos territórios vizinhos aterrorizando os cidadãos da Aliança Daggerfall e do Pacto de Ebonheart. Esperançosamente, esses conflitos serão resolvidos em breve…

CASA TELVANNI

Não é segredo que a Grande Casa Telvanni se recusou a assinar os acordos que os uniam ao Pacto do Coração de Ébano (que temos chamado de Pacto de Ebonheart). Além dos Dres, a Casa Telvanni tem alguns dos mais ferrenhos defensores da escravidão em toda Morrowind. Talvez seja esse o motivo de se recusarem a aderir ao Pacto. Ou talvez eles apenas tenham medo de que olhos curiosos pairem sobre seus profundos, e por vezes obscuros, conhecimentos mágicos. Mas isso é mera especulação.

REINO DE SKYRIM OCIDENTAL (Western Skyrim)

O espinho que incomoda o Pacto do Coração de Ébano, sem dúvida. No ano de 431 da 2º Era, quando Logrolf, um ancestral de Joruun o Rei-Skald, morreu, uma crise de sucessão começou aqui. Ele tinha apenas uma filha, Freydis, que muitos consideravam inadequada para governar. Quando a assembléia reuniu o Savartr, o Jarl de Solitude a declarou ilegítima e jogou seu chapéu no ringue. Incapaz de declarar um sucessor para Logrolf, Skyrim se separou. Os porões de Eastmarch, The Pale, Winterold e Rift seguiram Freydis e seus ancestrais se tornaram o Reino de Skyrim Oriental. Juntamente aos porões de Hjaalmarch, os territórios de Haafingar, Whiterun e Falkreach seguiram o Jarl Savartr e seus ancestrais. Skyrim Oriental é atualmente governada pelo Alto-Rei Savargrim, um descendente de Savartr que, embora esteja envelhecendo e frágil, se recusa a reconhecer Joruun como o verdadeiro Alto-Rei de Skyrim.

EMPÉRIO DE CYRODIIL / MOLAG BAL

Existem muitos relatos perturbadores de atrocidades cometidas por Molag Bal e suas forças daédricas dentro da Cidade Imperial. No entanto, não se sabe muito sobre os territórios fora da cidade que não estão sob o controle de qualquer das três alianças. Só podemos presumir que a Dinastia Tharn ainda está, de algum modo, controlando o Vale Nibenaen a leste. E as Terras Altas de Colovian são ainda mais misteriosas. Varen Aquilarios uma vez veio das Terras Altas, e eles o seguiram na rebelião contra o imperador Leovic. Posteriormente, eles seguirão o comando de seu sobrinho Carolus Aquilarios nas guerras que virão.

COSTA D’OURO (COSTA DOURADA OU GOLD COAST)

Por falar em Carolus Aquilarios, a Costa D’ouro recentemente ficou sob seu controle, ele que é conde de Kvatch e sobrinho do ex-imperador Varen. Presume-se que ele seguirá os passos de seu tio e tentará recomar Cyrodiil e restaurar o Império.

TERRAS ARGONIANAS INDÍGENAS

Vicecannon Heita-Meen afirma, em seu livro “From Argonian to Saxhleel” (em português,  “Do Argônio ao Saxhleel”) que:

“E agora somos reconhecidos. Temos aliados, não senhores, pela primeira vez em nossa memória. Somos livres perante a Lei e estamos recuperando nossas aldeias e fortalecendo nossas tradições. Ainda há sangue amargo fluindo entre muitos Saxhleel e nossos novos aliados, e nem todas as tribos se juntaram a nós – apenas as de Thornmarsh, Shadowfen e Murkmire. Isso não é surpresa. Espero que o façam, com o tempo, e percebam que esta oportunidade que nos foi dada de cultirar a compreensão nos permitirá preservar nosso estilo de vida.”

Essas terras não são controladas pelo Pacto de Ebonheart, mas é de interesse deles um dia trazer tais Argonianos indígenas para seu rebanho.

DESERTO DE ALIK’R

Em Linhagem Real de Sentinela (vou deixar aqui na descriçaõ do vídeo o link pra vocês lerem esse conteúdo, caso queiram) afirma-se que um dos ancestrais do rei Fahara’jad já foi o rei supremo de todos os Hammerfell. Não há dúvida de que ele também reivindicaria esse título, mas sem informações suficientes seria insensato sugerir que esse vasto território pertenceria a ele. Além disso, o Deserto de Alik’r é um dos lugares mais inóspitos de Tamriel. E é provável que não haja muito o que governar nessas terras.

REINO DE HEGATHE

Em Sacrilégio e Caos no Alik’r (novamente, vou deixar aqui na descrição do vídeo o link pra vocês lerem esse conteúdo, caso queiram) o Doutor Tahzim faz um relatório à Família Real de Hegathe sobre as ações de Fahara’jad. É claro que eles se opõem a ele, até mesmo afirmando que ele é um usurpador. Afirma-se que o ancestral de Fahara’jad, o Grande Rei Ar-Azal, governava na cidade de Hegathe. É possível que a atual Família Real de Hegathe seja descendente do mesmo rei e que reivindiquem seu trono também.

REINO DE TANETH

Sabemos que Taneth é uma entidade separada em toda a linha de missões no DLC A Guilda dos Ladrões (Thieves Guild). Sem dar muitas informações, parece que é governado por uma Rainha cujo nome é desconhecido. No entanto, sabemos de uma mulher rica chamada Magnifica Falorah que parece ser uma pessoa igualmente poderosa na região.

HEW’S BANE & ABA’S LANDING

Abah’s Landing e a península ao seu redor parecem ser uma espécie de vale-tudo, sendo praticamente governados pela Guilda dos Ladrões. Há pouca ou nenhuma informação sobre quem é o responsável por Aba’s Landing e a área circundante, mas parece que é um verdadeiro paraíso para os Lordes Mercadores, então poderia ser praticamente como a Veneza dos tempos medievais.


E aí, gostaram das dicas? Conta pra gente aí nos comentários, deixe sua opinião e participe da comunidade! Você também pode fazer parte do nosso Grupo no Facebook, da Página do Facebook, seguir o Perfil do Instagram e se inscrever no Canal do Youtube.

Tio Lou

Tio Lou Autor

Idealizador de toda esta Comunidade, Youtuber, Programador por paixão e amante de comida boa. Qualquer dúvida, contate-me em [email protected]